terça-feira, 31 de janeiro de 2006

Publicado por Desnorteada às 4:53 da tarde 4 comentários


A vida não está fácil, mas dias como o de ontem fazem-me acreditar que ainda é possível ser feliz. Voltei a sorrir. Como sempre o fiz. Voltei a acreditar. É bem mais simples quando os problemas ficam para trás, quando lhes damos folga. O espírito cresce e torna-se bem mais forte. A receita? Simplesmente, a amizade, o carinho com que partilhamos os nossos segredos, medos e sonhos. É bom sonhar e é bom ter quem nos avise, de vez em quando, disso:

DON'T GIVE UP

In this proud land we grew up strong
We were wanted all along
I was taught to fight, taught to win
I never thought I could fail

No fight left or so it seems
I am a man whose dreams have all deserted
I've changed my face, I've changed my name
But no-one wants you when you lose

Don't give up
'cos you have friends
Don't give up
You're not beaten yet
Don't give up
I know you can make it good

Though I saw it all around
Never thought that I could be affected
Thought that we'd be last to go
It is so strange the way things turn

Drove the night toward my home
The place that I was born, on the lakeside
As daylight broke, I saw the earth
The trees had burned down to the ground

Don't give up
You still have us
Don't give up
We don't need much of anything
Don't give up
'cause somewhere there's a place
Where we belong
Rest your head
You worry too much
It's going to be alright
When times get rough
You can fall back on us
Don't give up
Please don't give up

Got to walk out of here
I can't take any more
Going to stand on that bridge
Keep my eyes down below
Whatever may come
And whatever may go
That river's flowing
That river's flowing

Moved on to another town
Tried hard to settle down
For every job, so many men
So many men no-one needs

Don't give up
'cause you have friends
Don't give up
You're not the only one
Don't give up
No reason to be ashamed
Don't give up
You still have us
Don't give up now
We're proud of who you are
Don't give up
You know its never been easy
Don't give up
'cause I believe there's a place
There's a place where we belong.

by Peter Gabriel with Kate Bush

Pelo dia, pelos conselhos e pelo incentivo, OBRIGADA!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

AS MANHÃS DA TV

Publicado por Desnorteada às 3:22 da tarde 2 comentários


RTP, Praça da Alegria. SIC, Fátima. TVI, Você na TV. A DOIS, Zig Zag. Não há pachorra. (Infelizmente, não tenho cabo). Não aguento mais ver as avós de Portugal, a choradeira dos casos de Fátima e a estupidez de Manuel Luís Goucha. É que não dá mesmo para compreender como é possível que aconteçam certas coisas nos programas que as grelhas das nossas televisões apresentam. As manhãs da TV portuguesa são simplesmente deprimentes. Tirando o espaço informativo da RTP das 7h30 às 10h não se aproveita nada. Mesmo o espaço infantil d' A Dois deixa a desejar...
Não sei se é por não ter muito mais para fazer e por nesse exacto momento estar de serviço na cozinha, tenho estado mais ligada à TV. Custa tanto que às vezes desespero. Ontem, por exemplo, estava um Grupo de Cantares ao Desafio n' A Praça da Alegria que fez com que todos no estúdio explodissem a rir (não era para menos!). Mudei para a SIC. O resultado não foi muito animador. Tertúlia cor-de-rosa. Afinal o SIC 10 Horas não tinha acabado? Não é um programa novo? Não consegui nem ver um bocadinho... Mudei então para a TVI. TCHIIIIIII! Mudei logo. A primeira imagem era a de um miúdo numa cadeira de rodas com graves lesões físicas e cerebrais. Tornei a sintonizar a RTP. O grupo de cantares ao desafio continuava a cantar. As gargalhadas eram mais evidente. Nada de apresentadores, inclusive. O Jorge Gabriel teve de sair de cena e quando regressou interrompeu o grupo, cantando também: "se não param, eu fico sem ordenado"... Deu-me uma ataque de riso tal que fiquei deprimida... Era tão mau que não consegui parar de rir. Rir de pena daquelas pessoas e de mim porque me estava a rir do fracasso do entretenimento português. Senhores da televisão, por favor, pensem, ou melhor, repensem o poder que têm nas mãos...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2006

Publicado por Desnorteada às 11:24 da tarde 4 comentários
É estranho viver sem regras, sem rotinas, sem horários. É estranho estar longe de quem nos quer bem, de quem gostamos. É estranho acordar sem nada para fazer e ir dormir com a sensação de que nada se fez. É estranho ter vontade de realizar mil e uma coisas e não saber como as fazer. É estranho esperar todos os dias por um sinal que teima em não chegar. É estranho querer que o tempo avance rápido na ânsia de saber o que vem por aí. É estranho lutar todos os dias numa batalha que à partida está perdida. É estranho combater os medos sem que esses não sufoquem. É estranho falar com os que ainda estão presentes, e senti-los, cada vez mais, ausentes. É estranho querer mudar e não conseguir, querer seguir e parar, querer agarrar e largar. É estranho sentir na pele que não se pertence a lado nenhum. É estranho querer estar fixa e ao mesmo tempo querer estar em vários sítios. Tudo isto é estranho. Muito estranho. Estranho mas real...

domingo, 22 de janeiro de 2006

E ALEGRE SE FEZ TRISTE

Publicado por Desnorteada às 11:14 da tarde 0 comentários
"Aquela clara madrugada que
viu lágrimas correrem no teu rosto
e alegre se fez triste como se
chovesse de repente em pleno agosto.

Ela só viu meus dedos nos teus dedos
meu nome no teu nome. E demorados
viu nossos olhos juntos nos segredos
que em silêncio dissemos separados.

A clara madrugada em que parti.
Só ela viu teu rosto olhando a estrada
por onde um automóvel se afastava.

E viu que a pátria estava toda em ti.
E ouviu dizer-me adeus: essa palavra
que fez tão triste a clara madrugada."

Manuel Alegre

sábado, 21 de janeiro de 2006

MUDANÇAS

Publicado por Desnorteada às 6:03 da tarde 3 comentários


Às vezes, a vida não nos põe no nosso caminho as melhores coisas... os caminhos mais simples. São desafios diários para ver o quanto somos fortes. Experiências para aprendermos. E, a cada dia que passa sentimos na pele os erros que cometemos, que só nos ajudam a seguir caminho... e de cabeça erguida.
Ultimamente, tenho dito muitas vezes (a mim e aos outros) que um dia ao acordar de manhã, tudo estará diferente e aí não terei mais dúvidas. Os dias que têm passado não têm sido fáceis. Há alturas em que nem sei bem como sorrir... como continuar. Mas dias como hoje fazem-me acreditar que um dia há-de estar tudo bem.
O ano está a começar. Já lá vai um mês que tudo mudou. E porque foram tantas as mudanças, quero também mudar as coisas do meu dia-a-dia. Por isso, pus mãos à obra e reformulei O Meu Lado B, para que todos os dias quando vier até cá me lembre que tudo há-de ficar bem. Tudo há-de melhorar. E, assim, passo a passo, vou renascendo com a mesma alegria de sempre.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2006

SAUDADE

Publicado por Desnorteada às 8:56 da tarde 2 comentários

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

What A Difference A Day Made

Publicado por Desnorteada às 6:18 da tarde 1 comentários
"What a difference a day made, twenty four little hours
Brought the sun and the flowers where there used to be rain
My yesterday was blue dear
Today I'm a part of you dear
My lonely nights are through dear
Since you said you were mine
Oh, what a difference a day made
There's a rainbow before me
Skies above can't be stormy since that moment of bliss
That thrilling kiss
It's heaven when you find romance on your menu
What a difference a day made
And the difference is you, is you

My yesterday was blue dear
Still I'm a part of you dear
My lonely nights are through dear
Since you said you were mine
Oh, what a difference a day made
There's a rainbow before me
Skies above can't be stormy since that moment of bliss
That thrilling kiss
It's heaven when you find romance on your menu
What a difference a day made
And the difference is you, is you, is you"

Jamie Cullum

segunda-feira, 16 de janeiro de 2006

HÁ DIAS ASSIM... MENOS BONS!

Publicado por Desnorteada às 6:46 da tarde 1 comentários


Errei tantas vezes na oportunidade que dei aos outros que já nem sei se vale mesmo a pena tentar...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

E DEPOIS DO ADEUS

Publicado por Desnorteada às 9:17 da tarde 1 comentários
"Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
Perguntei por mim
Quis saber de nós
Mas o mar
Não me traz
Tua voz.

Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder

Tu vieste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci

E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós
Teu lugar a mais
Tua ausência em mim
Tua paz
Que perdi
Minha dor que aprendi
De novo vieste em flor
Te desfolhei...

E depois do amor
E depois de nós
O adeus
O ficarmos sós"

Paulo de Carvalho, José Calvário e José Niza

terça-feira, 10 de janeiro de 2006

VIRAR DA PÁGINA

Publicado por Desnorteada às 6:39 da tarde 0 comentários


8h30. Toca o despertador. Nem quero acreditar... É tão cedo! Tem que ser, espera-me um dia ocupadíssimo. Dos antigos. Daqueles que só acabam quando caio de novo na cama. Apresso-me... Tenho de ir... Nada é como era!
Tenho de me ambientar. Espreitar. Fazer um reconhecimento. Vagueio pelas ruas da cidade. Percorro todos os cantos que um dia foram meus. Apesar das saudades, já não pertenço aqui... Nada é como era!
Tento encontrar alguma coisa, mas até as pessoas mudaram. Está tudo tão diferente! Respiro fundo. Viro a esquina na esperança de reencontrar alguém, mas... nada é como era! [Afinal, "dois anos" é muita coisa...] Páro. Respiro fundo mais uma vez. Tiro o bloco de notas só para rever o que tenho ainda para fazer. Risco o que já fiz e vêm-me à memória as coisas do passado. Sorrio. E, mesmo antes, do sorriso terminar, vêm-me à memória as coisas do presente. Da alma, descem-me as lágrimas. Surgem questões. Porquê? Porque tinha de ser assim? E porquê agora? E daquela maneira? Olho em frente, e metaforicamente, reajo assim... é, pelo menos, o que deve ser feito. Pela terceira vez, respiro fundo. Esqueço. Sinto os pés no chão. Caminho sem saber muito bem para onde ir... nada é como era!
À minha espera, tenho o mundo. Acelero o passo. Mais rápido. Cada vez mais rápido. Como que fosse apanhar o comboio do tempo. De repente, abrando. Mais devagar. Cada vez mais devagar. Perco controlo sobre o meu corpo. Tenho de viver o presente. Sem pressas. Sem medos. Saborear o que a vida me dá... Afinal, "dois anos" é muita coisa... mas já não é... foi.

sábado, 7 de janeiro de 2006

HÁ PALAVRAS QUE NOS BEIJAM

Publicado por Desnorteada às 6:03 da tarde 0 comentários
"Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte."

Alexandre O'Neill

quinta-feira, 5 de janeiro de 2006

Publicado por Desnorteada às 9:16 da tarde 4 comentários


"Nunca é demasiado tarde para ser aquilo que sempre se quis ser."
George Eliot

quarta-feira, 4 de janeiro de 2006

ELA...

Publicado por Desnorteada às 8:50 da tarde 1 comentários


... tem uma vida pela frente. Vida nova, completamente diferente, cheia de desejos e sonhos. Uma vida com objectivos traçados há já muito tempo. Não sabe ao certo o que o futuro lhe reserva. Só sabe que o presente lhe oferece um turbilhão de emoções. Um rumo desconhecido, muito longe do que ela sempre conheceu...
Persegue algo que ainda não sabe o que é. Não tem nome, não tem cheiro, não se descreve, mas preenche-lhe os dias e o pensamento. Sente-se perdida. Sente-se sem norte. Sente-se sozinha... Apetece-lhe correr, fugir... agarrar o tempo para aquecer-lhe a alma e para afuguentar-lhe os fantasmas do passado... agarrá-lo como se fosse o último tempo a que tem direito... viajar nos seus segredos e voltar... para perto. Bem perto.

domingo, 1 de janeiro de 2006

ANO NOVO, VIDA NOVA!

Publicado por Desnorteada às 3:32 da tarde 3 comentários


Chegou 2006... um ano que se advinha difícil e pesado. Para todos. Para mim começa de uma forma estranha. De regresso a casa, sem emprego, mas de bem com a vida... Descobri em pouco tempo que para tudo há solução. Pode demorar mais, mas agora acredito (mesmo) que "Deus escreve direito por linhas tortas!". Durante uma semana, entre o Natal e o Ano Novo, recebi dezenas de mensagens, mail's, por vezes repetidos, mas com o mesmo conteúdo: que o melhor de 2005, seja o pior de 2006. Este ano quero acreditar nisto... Preciso, como do ar para respirar. Sei bem que os próximos dias serão autênticas provas de fogo, a todos os níveis, em todos os aspectos... e só quero estar à altura... UM BOM ANO PARA TODOS!
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos