sábado, 21 de julho de 2007

Publicado por Desnorteada às 6:00 da tarde 10 comentários
Odeio quando as pessoas aparecem sem eu estar à espera... principalmente quando essas pessoas me deixam triste e sem vontade para fazer o que quer que seja. Odeio quando mudam a minha vida aos poucos. Começam por entrar de mansinho, sem pedir licença... sem bater primeiro à porta, a fazer parte da rotina, e quando dou conta já não estão mas é como se estivessem... não desaparecem... instalaram-se na memória e não saem. Às vezes sinto que não há mais volta a dar... que essas pessoas têm mesmo de estar sempre presentes, a rondar e não há mais nada a fazer a não ser aceitá-las. Outras vezes, sinto que devia ser como um semáforo com luz verde, amarela e vermelha, para poder dizer se queria que continuassem, se deveria ter cuidado com elas ou se deveria parar logo e mandá-las para bem longe... noutra direcção. É tão fácil enganar-me, tão fácil desiludir-me... porque não consigo ser mais inteligente e fugir logo no início?! Cortar logo pela raiz para que os sentimentos não cresçam?! [Era tão mais fácil...] Porque deixo que ponham e disponham sem me aperceber que mais cedo ou mais tarde me vão deixar?! Que mais cedo ou mais tarde vão fugir sem olhar para trás?! [E é tão mais fácil... fugir!] Porque entram na minha vida se já sei que vou ficar sem elas?? O medo mói e torna-me cobarde... afasta-me de quem mais quero. O silêncio acomodou-se e quase me habituo a estar sozinha... Não é assim que quero estar... não quero gostar da solidão... mas a redoma de vidro que estou a criar à minha volta está a começar a fazer sentido. É como canta o Jorge Palma, esse grande senhor: "dou-me com toda a gente... não me dou a ninguém".

domingo, 15 de julho de 2007

Boa Sorte / Good Luck

Publicado por Desnorteada às 9:23 da tarde 4 comentários

Vanessa da Mata e Ben Harper


Porque não me sai do ouvido... e diz tudo!

quarta-feira, 11 de julho de 2007

VERDADES E MENTIRAS

Publicado por Desnorteada às 11:27 da tarde 4 comentários
A verdade magoa. Muitas vezes, mais do que a mentira. Magoa sobretudo quando nos é dita pelas pessoas que mais amamos na vida. Magoa tanto que os olhos se enchem de lágrimas. As mesmas que quando não saem, por vergonha ou orgulho, nos percorrem o peito até ao coração deixando-o inundado de dor. E como do coração à alma temos uma espécie de via rápida , a alma esmorece e esvazia... cresce o sentimento de culpa, encolhemo-nos no passado e em nós próprios, e ficamos encurralados entre o que ouvimos e o que gostávamos de ter ouvido. Sim, a verdade magoa. Tanto, tanto, que fugimos dela como o diabo foge da cruz, com medo. Mas, pergunto, será a mentira melhor? Não estaremos a enganar-nos? Não estaremos, apenas, a esconder aquela verdade que dói? A verdade e a mentira são realidades opostas, no entanto cruzam-se e misturam-se de forma inevitável. Eu não me consigo decidir por uma...

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Publicado por Desnorteada às 10:50 da tarde 2 comentários
Há dias em que não sei o que faço aqui. Para que sirvo. Há dias em que me sinto transparente, porque só assim compreendo por que é que a vida me tem ignorado, por que é que o tempo passa sem marcar... Recuo um ano e vejo-me igual. Foi como se estes últimos meses tivessem sido um parêntesis... e mesmo assim destes últimos dias só tem ficado a mágoa e a certeza de que não se deve confiar. Tenho medo! E estou cada vez mais fraca... sinto-me como o Clark Kent quando encarna o super-homem e lhe aparece a kryptonite à frente. Tenho demasiados cristais verdes a absorver-me os poderes, e a verdade é que não sei como atirá-los para bem longe. Sou ingénua e honesta demais para este mundo... sou incapaz de lutar com as mesmas armas, ainda que saiba que só assim se vence. O regresso ao mundo do trabalho não foi fácil! Mas, não esperava encontrar tanto desrespeito. Tive de ultrapassar muitos medos e muitas dúvidas e, apesar de ter conseguido, acabou. Acabou sem motivo, sem uma justificação credível e com muitas questões por resolver. E acabou porquê? Porque, hoje, se vive a era dos favores: dos pessoais, dos do amigo para o amigo, dos do amigo do amigo para o outro amigo... dos favores sexuais... porque é sempre assim... porque já não se consegue subir na vida pelo valor e pelo trabalho... nem tão-pouco viver num cantinho da vida sem ter medo que a traição surja pela mão do melhor amigo, daquele que dizemos ser o braço direito. Hoje, é o egoísmo que manda: primeiro eu, depois eu e depois eu. Não importa que seja justo ou injusto, não importa saber que se está a destruir uma vida, um sonho... o que importa é ultrapassar tudo e todos para se atingirem os objectivos. Estou de mal com a vida, sim. Estou e tenho razões para isso. Mais do que as suficientes. E, mais uma vez, sei que essas razões me mudarão para sempre... e não há muito que possa fazer...
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos