quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 5:03 da tarde 2 comentários

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 10:21 da manhã 0 comentários
Surpreende-me.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 12:58 da tarde 0 comentários
Hoje recebi um press todo bonitinho duma marca que não vou publicar (porque ninguém me paga para fazer publicidade!), que tinha uma frase muito interessante:

"Para conhecer um objecto tenho que conhecer não as suas propriedades externas mas todas as suas propiedades internas." Ludwig Wittgenstein in "Tratado Lógico-Filosófico

Acho que isto também se aplica (ou se deveria aplicar) às pessoas. Não nos enganaríamos tantas vezes!!!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

...

Publicado por Desnorteada às 11:17 da manhã 0 comentários

I know I should be more grateful
grateful for everything I have
And I know I should be less downfall
But unfortunately Iam just human
I'm in a big hole surrounded by fear
I'm in a deep dark hole
Deep enough for me to disapear
But should I go if earth the only place I know
All I know is I don't wantthis anymore
Livin' out life without nowhere what a distant is searching for

There are days where I would love to be somebody else
Days where I am fighting myself
There are days where I wish I would be a child again
And sometimes days where I wish they wouldn't last
Days where I wish I would be dead

Step back, stay away from me
Can't you respect that I only need my peace
These days I'm too weak to see
These days I'm all about me
I don't want to talk this out
Cause there are certain things we don't need to talk about
The silence in between will let you know what I mean
And each time I try to escape
I pray to go not to let me fake
And to take my doubts away
Hum hum....

There are days where I would love to be somebody else
Days where I am fighting myself
There are days where I wish I could be a child again
And sometimes days where I wish they wouldn't last
Days where I wish I would be dead....

These Days
Ayo

domingo, 23 de novembro de 2008

Este ano o Natal chegou mais cedo... :)

Publicado por Desnorteada às 5:44 da tarde 7 comentários

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 10:44 da tarde 0 comentários
Só...

domingo, 9 de novembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 8:25 da tarde 1 comentários
(...) à procura, à procura do vento. Porque a minha vontade tem o tamanho de uma lei da terra. Porque a minha força determina a passagem do tempo. Eu quero. Eu sou capaz de lançar um grito para dentro de mim, que arranca árvores pelas raízes, que explode veias em todos os corpos, que trespassa o mundo. Eu sou capaz de correr através desse grito, à sua velocidade, contra tudo o que se lança para deter-me, contra tudo o que se levanta no meu caminho, contra mim próprio. Eu quero. Eu sou capaz de expulsar o sol da minha pele, de vencê-lo mais uma vez e sempre. Porque a minha vontade me regenera, faz-me nascer, renascer. Porque a minha força é imortal. (...)
José Luís Peixoto in Cemitério de Pianos

terça-feira, 28 de outubro de 2008

É isto!

Publicado por Desnorteada às 9:56 da manhã 1 comentários

Chegámos ao fim da canção
E paro um pouco pra dormir
É tarde pra voltarmos atrás
Já nem há motivo algum para rir
É como ouvir alguém dizer
Vê nessa procura
Uma razão
Pra virar a dor para dentro
Que é virar o amor para dentro
Falo de um amar para dentro
Que é virar a dor para dentro

Eu vou dizer até me ouvir
A dor chegou para ficar
Eu vou parar quando eu sentir
Não haver motivo algum pra negar
É como ouvir alguém dizer
Vê nessa procura
Uma razão
Pra virar a dor para dentro
Que é virar o amor para dentro
Falo de um amar para dentro
Que é virar a dor para dentro
Chegámos ao fim da canção
E paro um pouco pra dormir...

domingo, 14 de setembro de 2008

Publicado por Desnorteada às 9:23 da tarde 1 comentários


Estou a precisar de miminhos...
muitos miminhos!
(imagem indecentemente copiada da internet)

sábado, 16 de agosto de 2008

...

Publicado por Desnorteada às 4:24 da manhã 3 comentários

Wicker Park

sábado, 9 de agosto de 2008

Publicado por Desnorteada às 12:20 da manhã 2 comentários


???

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Publicado por Desnorteada às 9:14 da tarde 2 comentários
A vida é como o jogo Party & Co: temos de encher a rodela com os queijinhos de todas as cores para vencermos. Se nos faltar um que seja, não conseguimos acabar o desafio.

domingo, 6 de julho de 2008

Publicado por Desnorteada às 9:22 da tarde 2 comentários
Está tudo em mim...
Guardado na minha alma...
Tatuado no meu coração...
MAS...

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:05 da tarde 3 comentários
Há dias em que nos sentimos a mais. Há outros que nos sentimos a menos. E há outros ainda que nem mais nem menos... Eu sinto-me precisamente assim: nem a mais nem a menos. Quero tanto que nem sei o que já conquistei e o que ainda está por conquistar. Preciso de tanta coisa, mas não consigo perceber do quê e de como lá chegar.

Há dias em que nos sentimos a mais. Há outros que nos sentimos a menos. E há outros ainda que nem mais nem menos... Eu sinto-me precisamente assim: nem a mais nem a menos. É preciso coragem, é preciso vontade, é preciso capacidade e paciência. Saber esperar é uma virtude... mas estou cansada... e não sei fazê-lo.

Há dias em que nos sentimos a mais. Há outros que nos sentimos a menos. E há outros ainda que nem mais nem menos... Eu sinto-me precisamente assim: nem a mais nem a menos. Quero tanto descobrir o futuro. Quero tanto saber o que dizem as minhas mãos e o que me está destinado. Quero tanto saber como vão ser os próximos tempos... mas não tenho certezas.

Há dias em que nos sentimos a mais. Há outros que nos sentimos a menos. E há outros ainda que nem mais nem menos... Eu sinto-me precisamente assim: nem a mais nem a menos. Ao sabor da corrente, seguindo a maré... sem contrariar muito.

Há dias em que nos sentimos a mais. Há outros que nos sentimos a menos. E há outros ainda que nem mais nem menos... Eu sinto-me precisamente assim: nem a mais nem a menos. Porquê?! Porque tem de ser. Ponto.

sábado, 31 de maio de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:48 da manhã 4 comentários
Vou continuar a procurar. E a lutar. Não sei ser de outra maneira...

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Samson

Publicado por Desnorteada às 9:57 da tarde 0 comentários

You are my sweetest downfall
I loved you first, I loved you first
Beneath the sheets of paper lies my truth
I have to go, I have to go
Your hair was long when we first met

Samson went back to bed
Not much hair left on his head
He ate a slice of wonder bread and went right back to bed
And history books forgot about us and the bible didn't mention us
The bible didn't mention us, not even once

You are my sweetest downfall
I loved you first , I loved you first
Beneath the stars came falling on our heads
But there just soft light, there just soft light
Your hair was long when we first met

Samson came to my bed
Told me that my hair was red
He told me i was beautiful and came into my bed
Oh I cut his hair myself one night
A pair of dull scissors and the yellow light
And he told me that I'd done alright
and kissed me till the morning light, the morning light
and he kissed me till the morning light

Samson came back to bed
not much hair left on his head
Ate a slice of wonderbread and went right back to bed
Oh, we couldn't bring the columns down
Yeah we couldn't destroy a single one
And history books forgot about us
And the bible didn't mention us, not even once

You are my sweetest downfall
I loved you first

Regina Spektor

sábado, 17 de maio de 2008

Publicado por Desnorteada às 5:26 da tarde 4 comentários
“(...) não me venhas com disparates de se tens ou não vocação de jornalista. É melhor que te perguntes se és curioso, impertinente, se te interessa o que te rodeia, se queres averiguar o porquê das coisas. Então não sei se terás vocação mas pelo menos tens, em princípio, algumas aptidões necessárias.”
Juan Luís Cebrián
Contar estórias. Palavras atrás de palavras. Prender o olhar de quem me lesse ou ouvisse e fixar as atenções nos pedaços de vida gravados em cada letra, em cada frase, parágrafo ou texto construídos por mim, sempre fez parte do meu dia-a-dia. Os relatos fiéis da realidade, que sempre gostei de fazer, traçaram o caminho que percorri até ao mundo da informação. Estar em contacto imediato com “o país e o mundo” para informar e estar informada foi desde cedo a minha maior ambição. O jornalismo esconde segredos que poucos privilegiados têm a oportunidade de conhecer e eu já fiz parte desse grupo... E tenho saudades! Os últimos dias têm-me transformado noutra pessoa. Mais madura e consciente de que o caminho que tenho de percorrer para melhorar e aperfeiçoar tudo que aprendi é ainda bastante longo, mas mais madura e consciente de que para me sentir realizada não posso deixar de ser jornalista. Toda a amizade que criei com os profissionais com quem trabalhei faz-me sentir que estou no sítio errado. Essa cumplicidade, que fui adquirindo aos poucos, é uma das razões para que, no papel de assessora, me sinta um verdadeiro peixe fora d’água. Nem é tanto pelo trabalho, porque um está associado ao outro... simplesmente me sinto do lado errado... E apesar disso, vou sempre agir com o maior profissionalismo porque só sei trabalhar assim. Estou a dar o meu melhor e o balanço até é, francamente, positivo. Apenas, tenho saudades do outro lado. Muitas! Esta semana disseram-me que entendiam esta minha vontade por "ainda ter muito a dar ao jornalismo"... talvez! A questão é que esta vontade não é suficiente. Por isso, peço a "Deus-Todo-Poderoso" que me faça passar esta sensação…ou isso, ou que faça com que o regresso ao jornalismo se concretize.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:32 da tarde 0 comentários
Hoje chegava um abraço teu.

sábado, 10 de maio de 2008

da vida...*

Publicado por Desnorteada às 11:43 da tarde 1 comentários
paciência

do Lat. patientia

s. f.,
qualidade de paciente;
resignação;
conformidade em suportar os males ou os incómodos sem se queixar;
perseverança tranquila;
calma na continuação de qualquer tarefa ainda que esta seja difícil ou muito demorada;
tranquilidade com que se espera aquilo que tarda;
nome de certos jogos de cartas;

interj.,
designativa de resignação ou conformidade.

(definição em www.priberam.pt)

terça-feira, 6 de maio de 2008

A dúvida do momento*

Publicado por Desnorteada às 9:48 da tarde 2 comentários

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Isto "não há fome que não dê fartura!"*

Publicado por Desnorteada às 3:41 da tarde 2 comentários
Comecei ontem um novo projecto profissional. Aliciante. Um desafio enorme. Enorme por ser totalmente novo para mim e enorme pela responsabilidade que ele acarreta. Do primeiro dia ficou a ideia de que preciso de ganhar ritmo. Estou completamente fora de forma... Não cumpria horários, não tinha regras a seguir e não tinha uma agenda preenchida há algum tempo, e isso está a deixar-me um pouco à nora. Eu sei que daqui a uma semana já estou mais ou menos habituada, mas depois de ontem a sensação com que fiquei foi de que não posso esperar tempos muito meigos nos próximos dias... Vai custar bué levantar às 7 todos os dias, ter de fazer 25 kms, trabalhar as 8 horas e meia estipuladas no contrato (ou mais!) e ter de refazer os 25 kms de volta a casa. Ai vai, vai! Para além disso, pode ser que venha mais trabalho (de outro lado!)... e ainda vai ficar mais complicado. Mas, apesar, de ter vindo tudo ao mesmo tempo e estar a ser tudo muito repentino e sem mãos a medir, sinto-me bem... sinto-me de novo útil... sinto que já estou de novo aqui... ainda que hoje, feriado, só me apeteça dormir... :)

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Nas nuvens... *

Publicado por Desnorteada às 11:49 da tarde 3 comentários

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:22 da tarde 2 comentários
Continuo cansada...

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 2:59 da tarde 4 comentários
Podia escrever aqui o que senti ontem no Dragão ao ver o Benfica dançar ao som dos "Olés" que vinham das bancadas pintadas de azul e branco. Podia escrever aqui o que senti quando via o FCPorto mostrar que é um líder justo e que não havia outro vencedor possível e ouvia pelo rádio que o Sporting perdia com o último classificado em Leiria. Podia dizer-vos como me sinto quando percebo que a emoção da primeira liga está em perceber quem vai ficar em segundo ou quem desce. Podia deixar aqui muita coisa e pensei até fazê-lo, mas ao ler o Jornal de Notícias de hoje percebi que este sentimento é partilhado por muitos...

Porque é exactamente isto que penso sobre o estado do futebol português, deixo-vos a Verdade Desportiva de Júlio Magalhães.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Pergunta *

Publicado por Desnorteada às 9:26 da tarde 5 comentários
O que se faz quando os dados viciam?

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Somewhere Over the Rainbow*

Publicado por Desnorteada às 11:41 da tarde 6 comentários

Somewhere over the rainbow
Way up high
There's a land that I heard of
Once in a lullaby

Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I?
Israel Kamakawiwo Ole

domingo, 13 de abril de 2008

*

Publicado por Desnorteada às 8:51 da tarde 4 comentários
Foram dois dias em pleno... rodeada de amigos (verdadeiros!). E não há dúvida alguma: os amigos são mesmo o melhor que o mundo tem...

Obrigada a todos aqueles que se lembraram de mim!
Adoro-vos!

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 12:16 da manhã 7 comentários


Faço, amanhã, 28 anos. E 28 é um número tão redondo, que sempre me pareceu tão distante… Começa a "saga" dos jantares de aniversário. Durante dois dias, comemoro a chegada de mais um ano. Não, não sou maluquinha… é que nasci a 11, mas estou registada a 12... e durante estes dois dias, o telefone não pára de tocar: tenho a minha família e os meus amigos a pensar em mim… ainda que seja porque os lembretes existem! Pode parecer estúpido, mas nestas alturas paro sempre para pensar. Olho para trás. Reflicto um pouco sobre o que fiz e o que ainda tenho para fazer. É como se estivesse a conduzir numa grande recta: pelo retrovisor o passado, em frente o futuro. E o carro não pára. A velocidade está nas minhas mãos. Ainda tenho tanto caminho para fazer. Agora, tão perto dos 28 anos, percebi que mudei muito… cresci, amadureci. Porém, ainda tenho que mudar muitas outras coisas. Sou, como já aqui disse, menina-mulher. Cada vez menos menina, talvez… Perdi a coragem e ganhei medo. Percebi que nem sempre se resolve as coisas com um sorriso, que não se pode confiar e acreditar tanto nas outras pessoas. Esta é a verdade, verdadinha! No entanto, gosto de perceber que há coisas que não mudam… e eu não deixei de ser eu. Não! Há tanta coisa que gosto de fazer… que aprendi a gostar enquanto me vou transformando numa mulher e que continuo e vou continuar a gostar... e a lista é enorme:
  • Gosto de rir com os meus pais e com o meu irmão…
  • Gosto de sentir os dedinhos pequeninos da minha sobrinha e de lhe roubar um sorriso do tamanho do mundo…
  • Gosto de falar com os meus avós e ouvir todos os conselhos sábios que eles me vão dando…
  • Gosto de brincar com a minha afilhada e dos xis que ela me dá sempre que tropeçamos uma na outra…
  • Gosto que fales e rias comigo. Gosto de pensar em ti e de sonhar contigo e connosco. Gosto de gostar de ti!
  • Gosto de estar com os meus amigos e beber uns canecos com eles até às tantas... Gosto de saber que os verdadeiros estão sempre do meu lado!
  • Gosto de brincar com o meu cão. Gosto que ele me receba ao portão de casa com o rabinho a dar a dar, a saltar para mim… mesmo quando me suja a roupa toda…
  • Gosto de ir ao Dragão, ver o meu Porto ganhar e de gritar “GOLOOOOOO!” bem alto e “até que a voz me doa”!
  • Gosto de dançar, de ouvir música, de ir ao cinema e ficar surpreendida com o filme. Gosto de uma boa surpresa, das coisas espontâneas e inesperadas!
  • Gosto de beber chá, de apreciar um café e de gomas e chocolates…
  • Gosto de praia. De sentir os meus pés na areia e de dar um mergulho no mar. De sentir as ondas e o sol e a pele com sal e com cor…
  • Gosto de viajar, conhecer outros sítios… outras pessoas. Gosto de ir acompanhada dos melhores amigos do mundo… [os meus]!
  • Gosto de sentir as folhas a estalar debaixo dos meus pés no Outono…
  • Gosto de andar nua pela casa… só de toalha, mesmo em pleno Inverno…
  • Gosto de tirar os sapatos quando chego a casa e andar descalça... gosto de sentir os dedinhos livres...
  • Gosto de me sentir criança, de ver desenhos animados e fazer birras quando as coisas correm menos bem… daquelas de cara feia, a fazer beicinho, de braços cruzados e a bater com os pés no chão…
  • Gosto de ouvir a chuva a fustigar a minha janela e embrulhar-me numa mantinha para enganar o frio.
  • Gosto de ler e de descobrir novos autores…
  • Gosto de escrever… de contar histórias – as minhas e as dos outros. Gosto de dar voz ao que escrevo…
  • Gosto de flores… de receber uma só [rosas… independentemente da cor].
  • Gosto de todos vocês e do carinho que me dão através dos comentários aos meus textos…
  • Gosto de andar aqui… de me sentir viva!
  • (…)

São tantas, tantas, tantas as coisas que me fazem sentir de bem com a vida que não vale mesmo a pena zangar-me com ela. E agora que estou quase a abrir a porta aos 28, acho que o melhor que tenho a fazer é continuar da mesma maneira… igual a mim própria. Enquanto assim é, e voltando à história das cores, pinto o meu arco-íris. Tenho quase a certeza que encontrarei o pote de ouro quando chegar ao final…

domingo, 6 de abril de 2008

"FêCêPê", CAMPEÃO 2008... :D*

Publicado por Desnorteada às 12:07 da tarde 4 comentários

"É a pronúnica do norte... somos o povo mais forte!"

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Desculpe, pode repetir?! :S

Publicado por Desnorteada às 5:40 da tarde 4 comentários
"Ministro da Ciência diz que licenciados não sofrem de desemprego

O ministro da Ciência e Ensino Superior está convencido de que quase não há licenciados desempregados em Portugal, mas não especificou se o trabalho que encontram em qualificado ou se tem relação com a área em que tiveram formação superior.(...)"

Ler mais aqui.

Sabem que mais, não se rie ou se chore...

*

Publicado por Desnorteada às 12:19 da manhã 6 comentários
Tenho passado o tempo a tentar descobrir as cores certas para pintar a minha vida... para deixar esta gama de cinzentos que caiu sobre mim, definitivamente! Ainda não sei como escolher os tons, mas estou mais perto disso do que há alguns dias. Aliás, a dificuldade não está na paleta… está mais em quem a tem. É difícil para mim assumir que a cor que quero dar aos meus dias não está em meu poder, no entanto, eu tenho a obrigação de ser sincera comigo, acima de tudo, e admitir que essa cor eu procuro-a noutro lugar… procuro-a nos meus familiares, nos meus amigos, nas coisas que gosto de fazer, no que me dá prazer e, claro, procuro-a em ti. Sempre. Ainda espero que um dia me apareças de fato-macaco e de pincel na mão e com vontade em colorir este tempo que parece parado… que parece um tempo sem tempo.
Aguardo ansiosamente que esta vida a preto e branco se vá embora. Estou farta de riscos e rabiscos, traços vazios e figuras geométricas sem quaisquer conteúdos. Estou cansada da liberdade que não é livre… desta liberdade condicionada pelos silêncios que carrego. Estou cansada de pensar que não sou suficientemente boa para exigir mais. Eu sou boa e mereço mais. (Pronto, já disse!) Sou muito mais do que qualquer sonho que possa já ter partilhado… com todos os que me rodeiam… contigo. Sou mais do que os segredos que guardo… e do que todas as palavras que escondem os sentimentos. Quero dar cor à minha vida… impor-lhe a tinta mais alegre que conseguir arranjar. Quero sair das páginas brancas com linhas a preto e voar mais alto… derrubar todas as muralhas que criei em meu redor e avançar. Avançar para os meus sonhos, avançar para seguir caminho, avançar para não desistir, avançar para ti… sem medos… avançar para saltar fronteiras em busca do desconhecido e do incerto… a vida é demasiado curta para se estar parado e para seguir regras, apenas. Quero muito... só não sei ainda que cores utilizar... Agora, que estou disposta a arriscar, lá isso estou. E se, por algum motivo, não gostar do resultado final, só tenho um remédio, pegar noutras cores e voltar a fazer tudo de novo: olhar para os dias como se fossem telas e dar-lhes a devida cor para se sentirem vivos… para que me sinta viva. Acho que o segredo é mesmo experimentar… experimentar… experimentar… porque há-de haver um dia em que terei nas minhas mãos as cores certas... e aí a dificuldade será fazer com que elas não desbotem.

*Obrigada a todos os que me incentivaram a continuar a acreditar.

segunda-feira, 24 de março de 2008

Do pensar...*

Publicado por Desnorteada às 9:35 da tarde 12 comentários
Tenho andado a pensar que este cantinho já não tem o mesmo sentido que tinha quando o iniciei. Olho para trás e vejo que não tinha problemas em escrever aqui o que quer que fosse… hoje já não é bem assim. Escrevo um post de vez em quando… de semana em semana quase... Continuo a escrever com regularidade mas, na maior parte das vezes, o que escrevo não publico. Ou porque é pessoal demais ou porque não lhe reconheço qualquer interesse ou porque simplesmente não gosto dos textos ou porque tenho medo de mostrar o que sinto pelas críticas que possam chegar. É que a “desnorteada” tem deixado de ser a personagem que criei e, para muitos dos que aqui vêm, já tem face. Chamem-me cobarde, mas isto só tem piada quando ninguém sabe das histórias à volta das palavras que descarrego no blogger.
O peso dos dias tem-se feito sentir. Sinto falta de sorrir com vontade… de sorrir mais vezes ao dia e com mais intensidade. Sinto falta de acreditar na possibilidade de ser quem sempre quis ser. Sinto falta de acreditar e lutar e ter o coração cheio de esperança. Estou triste e escrever ajuda-me a superar os meus medos e as minhas dúvidas, mas prefiro, agora, guardá-los num caderno que anda sempre comigo… tal e qual fazia antes de conhecer este mundo que é a "blogosfera"… só para mim.
Por isso, tenho pensado em encerrar O Meu Lado B(log)… acabar de vez com este canto que já foi um refúgio, um porto de abrigo e até um vício. Encerrá-lo porque sinto falta de poder escrever sobre mim sem recriminações, sem que me pese o olhar dos outros e sem medo de mostrar este meu lado… sem que diga que está tudo bem e sinta uma reprovação de quem me ouve (ou lê) porque me visitam e sabem que ando cansada e farta de não ter aquilo com que sempre sonhei… Não digo que vou apagá-lo e pronto. Não! E também nem sei se o quero fazer. Tenho pensado nisso, apenas…

segunda-feira, 17 de março de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:05 da manhã 5 comentários
Hoje acordei cedo. Com vontade de saltar da cama para ir trabalhar. Eu sei! É segunda e ninguém quer levantar-se no início da semana... Mas eu quero, ou melhor, eu gostaria de ter essa oportunidade. Não aguento mais este sentimento de inutilidade, de mágoa e tristeza por estar sem trabalho. Eu gosto tanto de ter coisas para fazer, de ter o dia guiado por uma agenda a cumprir, de obedecer a horários, de me sentir útil...
Hoje já enviei seis currículos. Sinto-me uma autêntica "curriculeira". E o que mais me entristece é que destes seis se houver duas respostas é muito. Onde ir buscar forças para continuar a "vender o nosso produto"? Onde ir buscar forças para continuar a lutar? Às vezes, fico animada e motivada, mas há dias em que penso que o que mais vale é deitar tudo para trás das costas e fugir... sair daqui... deixar para trás o já conquistado e começar noutra cena qualquer. Nem que ao final de 15 dias sinta que metade de mim desapareceu... foi roubado por esta sociedade sem escrúpulos, onde os mais fracos conseguem vingar.
Estou cansada! Hoje estou muito cansada. Amanhã, talvez, o sentimento seja outro. E esta mágoa não me dê cabo do dia. Hoje, simplesmente, não consigo pensar doutra maneira. Eu sei que "querer é poder", mas neste caso por mais que se queira não se pode e é mais fácil seguir outro caminho do que percorrer quilómetros à procura de algo que cada vez mais é difícil de encontrar.

sexta-feira, 14 de março de 2008

The Great Escape*

Publicado por Desnorteada às 11:48 da tarde 2 comentários

Bad day, looking for a way
Oh, looking for the great escape
Gets in his car and drives away
Far from all the things that we are
Puts on a smile and breaths it in and breaths it out
He says bye-bye, bye to all of the noise
Oh he says bye-bye bye to all of the noise

Hey child, things are looking down,
That's OK you don't need to win anyways
Don't be afraid just eat up all the gray
and it will fade away
Don't let yourself fall down

Bad day, looking for the great escape...

Patrick Watson

quinta-feira, 6 de março de 2008

Porto Sentido*

Publicado por Desnorteada às 5:34 da tarde 2 comentários
(...) Ver-te assim abandonado
nesse timbre pardacento
nesse teu jeito fechado
de quem mói um sentimento...

E é sempre a primeira vez
em cada regresso a casa
rever-te nessa altivez
de milhafre ferido na asa(...)
Rui Veloso / Carlos Tê

Depois da derrota sofrida de ontem, esta música não me sai da cabeça. Hoje, só me apetece dar graças a Deus por ser portista. Aqueles homens foram notáveis... o FCP foi afastado da Liga dos Campeões, mas ficou a sensação de que deveria lá estar... O dragão caiu de pé!

domingo, 2 de março de 2008

*

Publicado por Desnorteada às 10:57 da tarde 2 comentários
Tive uma semana cansativa. Daquelas que se gasta os minutos a reflectir, a pôr as ideias em dia, a chegar a conclusões e a tomar decisões, por vezes, muito difíceis. Ando esgotada. Aliás, bem para lá dos limites do saudável. Sinto que tenho desperdiçado o tempo com coisas vãs e não tenho aproveitado o tempo para mim. Nem para os outros… nem para nada. Mas, finalmente, sinto-me capaz de abandonar a perseguição e a obsessão que têm sido as últimas fases. Pelo menos, resisto. E resistir é meio caminho andado… Não faço de propósito, mas sabe-me bem. Sinto-me melhor, mais leve. Enfim, percebi-me. Percebi tudo o que se tem passado comigo. E, sinceramente, a necessidade era mesmo esta. Parar para me compreender. Precisei de me desligar de tudo e de todos, para me conseguir desligar de mim… desta nova “desnorteada” que não reconheço. Precisei de me entender para seguir em frente e procurar a tal janela que se abre quando todas as portas se fecham.

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Pequeno desabafo...*

Publicado por Desnorteada às 9:08 da tarde 9 comentários
Hoje, no final de um almoço de família, agarro numa daquelas revistas cor-de-rosa que ninguém lê, talvez a Flash ou a VIP ou a Caras... uma dessas! (nem sequer me dei ao trabalho de ver qual) e passo os olhos, muito depressa, página por página. De repente, deparo-me com a seguinte informação:

"Orgasmo emagrece
Sabia que do pré-orgasmo ao orgasmo, pode queimar 25,6 calorias? É verdade! Não há melhor remédio para emagrecer. Sexo é bom, dá prazer, não tem contra-indicações e ainda por cima ajuda a perder peso!"


Bem, pelos vistos há maneiras mais simples, mais baratas e mais agradáveis de mandar embora os quilinhos a mais... Eu acho que vou repensar seriamente a minha dieta. Afinal, depois de saber disto, o que ando eu a fazer no ginásio???????

(Como diz a Cidália: "Oh God, make me good, but not yet!")

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Dúvidas...*

Publicado por Desnorteada às 9:54 da tarde 2 comentários
Por que é que não posso fazer aquilo que gosto?
Por que é que não posso estar onde quero?
Por que é que não tenho aquilo que quero?
Por que é que não posso estar perto de quem quero?
Por que é que não posso ir para onde me sinto bem?
Por que é que tudo que me faz sentir bem está longe?
Por que é que não posso viver onde consigo sorrir?
Por que é que não é possível?
Porquê?
Porquê?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Cupido ceguinho, coitadinho! *

Publicado por Desnorteada às 6:24 da tarde 4 comentários
Só espero que da próxima vez (se houver próxima vez!!) não falhes, oh sacanazinho!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

I See the World Through You

Publicado por Desnorteada às 11:37 da tarde 2 comentários

You don’t understand me now,
I wonder if you ever will,
I wonder if you’ll ever try.
Don’t get sad about,
All the strange thing I wrote,
They faded as the ink dried…

So I say go, go, hold your fists high,
Grow, slow, stand in for the fight,
Though I hope you never have to.
So I say run, run, sparkling light,
Have your fun and then come home at night,
I’m sure you’ll tell me something new,
Yeah I can see the world through you.

Frozen lakes and night storms,
Most you’ll cross on your own,
You’ll face the biggest landslides.
I’ll catch you on the hardest falls,
I’ll carry you inside this walls,
We’ll sing through all the highest times.

So I say go, go, hold your fists high,
Grow, slow, stand in for the fight,
Though I hope you never have to.
So I say run, run, sparkling light,
Have your fun and then come home at night,
I’m sure you’ll tell me something new,
Yeah I can see the world through you.

So I say go, go, hold your fists high,
Grow, slow, stand in for the fight,
Though I hope you never have to.
So I say run, run, sparkling light,
Have your fun and then come home at night,
I’m sure you’ll tell me something new,
Things you did and thing you do,
Yeah I can see the world through you.
David Fonseca

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

A responder a um inquérito... *

Publicado por Desnorteada às 3:03 da tarde 2 comentários
X: Profissão, Dona Desnorteada!?
Desnorteada: Jornalista
X: Ai sim, e onde trabalha?
Desnorteada: Neste momento, estou desempregada...
X: Oh, então não é jornalista, é desempregada! :@
Desnorteada: Perdão!? :S

Será que ao não exercermos a nossa actividade, perdemos as nossas competências e habilitações? Ficou-me a dúvida...

sábado, 26 de janeiro de 2008

Leitura*

Publicado por Desnorteada às 11:02 da tarde 6 comentários
Gosto de ler. Muito. Iniciei há dias o novíssimo romance de Miguel Sousa Tavares e estou a gostar, mas precisava de outro tipo de leituras. Vou parar com o Rio das Flores por uns tempos e vou devorar algumas páginas de bom humor... Afinal, e como diz uma das autoras de um dos livros que tenho para ler, rir é uma "contribuição genial para a nossa saúde mental, ou não fosse o riso o melhor remédio para os nossos problemas: confere-nos um óptimo aspecto, não é pecado e além do mais não engorda".
O número de livros que me esperam é razoável e, por isso, já não me posso queixar: pelo menos durante uns dias vou ter o que fazer.

Fica aqui a lista:

Nós, as Mulheres 5
“Espelho meu, existe mulher mais bonita do que eu?”

MAITENA

Porque nos apaixonamos pelas pessoas erradas?
ANA CARDOSO DE OLIVEIRA

Rio das Flores
MIGUEL SOUSA TAVARES

Naqueles Braços
CAMILLE LAURENS

Como dei com o meu psiquiatra em louco
ISABEL STILWELL

Meu Amor, Era de Noite
VASCO GRAÇA MOURA

Onde Estás
FÁTIMA ROLO DUARTE

Tão Veloz como o Desejo
LAURA ESQUIVEL

Canário
RODRIGO GUEDES DE CARVALHO

Ainda não sei qual a ordem de leitura, mas são com toda a certeza boas opções para passar o tempo. Se não aparecer por cá com a mesma frequência, já sabem o motivo... ;)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

No teu poema*

Publicado por Desnorteada às 11:38 da tarde 0 comentários
No teu poema
existe um verso em branco e sem medida,
um corpo que respira, um céu aberto,
janela debruçada para a vida.

No teu poema
existe a dor calada lá no fundo,
o passo da coragem em casa escura,
e aberta, uma varanda para o mundo.

Existe a noite,
o riso e a voz refeita à luz do dia,
a festa da Senhora da Agonia
e o cansaço do corpo que adormece em cama fria.

Existe um rio,
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.

No teu poema
existe o grito e o eco da metralha,
a dor que sei de cor mas não recito
e os sonhos inquietos de quem falha.

No teu poema
existe um canto chão alentejano,
a rua e o pregão de uma varina
e um barco assoprado a todo o pano.

Existe um rio
o canto em vozes juntas, vozes certas
Canção de uma só letra e um só destino
a embarcar no cais da nova nau das descobertas.

Existe um rio,
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte

No teu poema
existe a esperança acesa atrás do muro,
existe tudo o mais que ainda me escapa
e um verso em branco à espera do futuro.

José Luís Tinoco (para a voz de Carlos do Carmo)

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:25 da tarde 2 comentários

(A imagem foi copiada à descarada daqui)

domingo, 20 de janeiro de 2008

Divagações III*

Publicado por Desnorteada às 2:10 da manhã 2 comentários
Já é tarde! Já devia estar a dormir... Mas, por mais que sinta a necessidade de o fazer é difícil... Dou voltas e mais voltas na cama, fico a rebolar uma, duas horas e o sono nunca chega. É isto há dias, ou melhor, há meses... Estou farta destas insónias! Já estive a ler, mas não consigo mais... os olhos pesam-me. Pesam-me mesmo muito... e ainda assim não consigo dormir... Simplesmente, não consigo! Estou a dar em doida! Para desanuviar, resolvi escrever um pouco. Pouso os meus dedos sob o teclado e reparo que as letras não se querem juntar. Chiça!, não me sai nem uma palavra... quanto mais uma frase de jeito?! Eu quero dormir... eu preciso de dormir... e os olhos não me obedecem, não querem fechar, não querem descansar. Já é tão tarde! Se ao menos conseguisse não pensar em ti, no emprego que teima em não aparecer, na falta de vontade em sair de casa, neste sentimento de culpa que me esmaga todos os dias... se ao menos não pensasse nisto sempre que não tenho mais nada para fazer... Porque não temos um botão ON/OFF para o utilizarmos sempre que precisamos?? Isso deveria ser, realmente, possível!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Da Inquietação... *

Publicado por Desnorteada às 3:03 da tarde 4 comentários
Gostaria de me sentir assim...

... mas 'tá difíiiiicil!

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

O que eu chamo de um início de ano determinado!*

Publicado por Desnorteada às 10:59 da tarde 10 comentários
Hoje decidi pôr-me a mexer e fui até ao ginásio... meus amigos, nunca suei tanto na vida! Estive duas horas a pôr a ginástica em dia. Agora, o meu único desejo é que na próxima quinta-feira, quando regressar lá, consiga mover as perninhas e os bracinhos... Demorei a tomar a decisão. Nunca fui adepta de exercício físico e daí, claro, o péssimo estado de forma em que me encontro. Esta é a minha primeira resolução para 2008: ginásio-ocupar o tempo-perder peso-ginásio-ficar mais calma-perder peso-ginásio-dormir melhor-perder peso-ginásio-ficar melhor comigo-perder peso-ginásio-(...). Agora que comecei, ninguém me pára! ;)

sábado, 5 de janeiro de 2008

Nada*

Publicado por Desnorteada às 4:11 da tarde 2 comentários

Nada te espanta
nada te encanta
nada te tomba
ou te levanta
sem passar dentro de ti
nada te gera
nada te espera
não há outono nem primavera
sem que o sintas a surgir
Tu és a escala
a mão que embala
tomas bem conta de ti
Tu és a escala
a mão que embala
tens um rumo a seguir
Nada te atrasa
nada te arrasa
nem que no céu percas uma asa
vais pegar de novo em ti
nada te usa
nada te escusa
mesmo se o mundo inteiro te acusa
só tu sabes onde ir
tu és a escala
a mão que embala
tomas bem conta de ti
tu és a escala
a mão que embala
tens um rumo a seguir
e nada esmaga
nada te acaba
nada te encolhe
nada te alarga
nada te tenta
nada te inventa
nada te pesa
nada te aguenta
nada te falha
nada te empurra
nada se ri quando te esmurra
nada te chefia
nada te guia
nada te ofende
ou te desvia
nada te pára
nada te pára
nada te pára
nada...
Jorge Cruz

Vou fingir que o Jorge Cruz me conhece e escreveu esta música para mim... :P É que ela encaixa-me que nem uma luva...

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

"Como esquecer alguém em 5 minutos ou talvez mais um bocadinho...

Publicado por Desnorteada às 8:51 da tarde 8 comentários
Antes de tudo, há que reconhecer que este poderia ser um belo nome para um daqueles livros que as pessoas oferecem umas às outras apenas e só pelo título e que usualmente se encontram em qualquer bomba de gasolina, no corredor do fundo, lado esquerdo, junto aos jornais. Não interessa o autor, nem se alguma vez se leu alguma coisa, nem se os críticos do mil folhas falaram bem, o que importa mesmo, é a mensagem que o título oferece a quem o recebe. E se depois lá dentro, nas páginas que se refugiam na capa, o conteúdo não for grande coisa, isso de nada importa. Entrega-se o livrinho como se estivéssemos a entregar uma senha de papel com uma mensagem, a fazer olhinhos, para a miúda que está na carteira ao lado: “Vai onde te leva o coração!”, “Fazes-me Falta!” “Não há coincidências” e claro o inevitável “Amo-te”.

Houvesse um medicamento, que depois de tomado nos fizesse esquecer a pessoa que amamos e as farmácias ficariam inundadas de gente à sua procura. Existisse uma operação que nos removesse a parte da memória que nos faz lembrar esse alguém e ficariam enormes as listas de espera para essa cirurgia. Mas não existe. Não há. Não se vende, nem se opera.

Mas pode-se esquecer? Pode. Como assim? Ora, usando uma técnica vulgarmente usada pelos bombeiros para extinguir os incêndios. O lendário truque do “Fogo contra Fogo” que basicamente consiste em lançar outro fogo em direcção ao que vem a arder. Assim, queima-se uma área que ainda não esteja ardida, para que quando o fogo lá chegar nada mais tenha para arder. E é limpinho.

O que há a fazer é queimar o que ainda houver de bom e fazer com que as coisas que estejam associadas à pessoa que queiramos esquecer não nos pareçam assim tão agradáveis. E quando ela – leia-se o incêndio – aparecer, já só resta terra queimada.

E assim, aproveitando esta bonita analogia dos incêndios, é justo revelar que aqui o grande problema é o vento, o vento que pode reacender as chamas. E esse vento, pode ser uma chamada dela – que ninguém atenda o telefone – uma súbita vontade de lhe ligarmos nós, às 4 da manhã com uma voz notoriamente embriagada – apague-se já o número – o vento pode ser uma foto dela ainda no quarto – que se guarde isso numa gaveta escura – uma carta que imbecilmente relemos – perigo, perigo! – Aceitarmos um convite para jantar a dois sob o pretexto de irmos falar sobre o ambiente no mundo – isso será muito arriscado – ir a casa dela rever a primeira temporada dos Sopranos em vd. – que fique claro, ao aceitarem o convite, isto já nem será vento, mas possivelmente, um tornado.


E assim, voltando à perniciosa técnica do fogo contra fogo, o mais importante, é queimarmos tudo à volta sem usarmos um único fósforo. É dizermos “isto é muito bonito e tal, mas eu tenho que sair daqui antes que se faça tarde” e assim, ao não permitirmos recaídas que sabemos que só irão adiar o inevitável, extinguiremos o pouco que vai existindo até que tudo fique reduzido a cinzas, tão frias e inertes, que nenhum vento será capaz de as reanimar."

Fernando Alvim
O homem quando quer escreve umas coisas engraçadas... não diz só disparates!
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos