segunda-feira, 28 de abril de 2008

Nas nuvens... *

Publicado por Desnorteada às 11:49 da tarde 3 comentários

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 11:22 da tarde 2 comentários
Continuo cansada...

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 2:59 da tarde 4 comentários
Podia escrever aqui o que senti ontem no Dragão ao ver o Benfica dançar ao som dos "Olés" que vinham das bancadas pintadas de azul e branco. Podia escrever aqui o que senti quando via o FCPorto mostrar que é um líder justo e que não havia outro vencedor possível e ouvia pelo rádio que o Sporting perdia com o último classificado em Leiria. Podia dizer-vos como me sinto quando percebo que a emoção da primeira liga está em perceber quem vai ficar em segundo ou quem desce. Podia deixar aqui muita coisa e pensei até fazê-lo, mas ao ler o Jornal de Notícias de hoje percebi que este sentimento é partilhado por muitos...

Porque é exactamente isto que penso sobre o estado do futebol português, deixo-vos a Verdade Desportiva de Júlio Magalhães.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Pergunta *

Publicado por Desnorteada às 9:26 da tarde 5 comentários
O que se faz quando os dados viciam?

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Somewhere Over the Rainbow*

Publicado por Desnorteada às 11:41 da tarde 6 comentários

Somewhere over the rainbow
Way up high
There's a land that I heard of
Once in a lullaby

Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I?
Israel Kamakawiwo Ole

domingo, 13 de abril de 2008

*

Publicado por Desnorteada às 8:51 da tarde 4 comentários
Foram dois dias em pleno... rodeada de amigos (verdadeiros!). E não há dúvida alguma: os amigos são mesmo o melhor que o mundo tem...

Obrigada a todos aqueles que se lembraram de mim!
Adoro-vos!

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Publicado por Desnorteada às 12:16 da manhã 7 comentários


Faço, amanhã, 28 anos. E 28 é um número tão redondo, que sempre me pareceu tão distante… Começa a "saga" dos jantares de aniversário. Durante dois dias, comemoro a chegada de mais um ano. Não, não sou maluquinha… é que nasci a 11, mas estou registada a 12... e durante estes dois dias, o telefone não pára de tocar: tenho a minha família e os meus amigos a pensar em mim… ainda que seja porque os lembretes existem! Pode parecer estúpido, mas nestas alturas paro sempre para pensar. Olho para trás. Reflicto um pouco sobre o que fiz e o que ainda tenho para fazer. É como se estivesse a conduzir numa grande recta: pelo retrovisor o passado, em frente o futuro. E o carro não pára. A velocidade está nas minhas mãos. Ainda tenho tanto caminho para fazer. Agora, tão perto dos 28 anos, percebi que mudei muito… cresci, amadureci. Porém, ainda tenho que mudar muitas outras coisas. Sou, como já aqui disse, menina-mulher. Cada vez menos menina, talvez… Perdi a coragem e ganhei medo. Percebi que nem sempre se resolve as coisas com um sorriso, que não se pode confiar e acreditar tanto nas outras pessoas. Esta é a verdade, verdadinha! No entanto, gosto de perceber que há coisas que não mudam… e eu não deixei de ser eu. Não! Há tanta coisa que gosto de fazer… que aprendi a gostar enquanto me vou transformando numa mulher e que continuo e vou continuar a gostar... e a lista é enorme:
  • Gosto de rir com os meus pais e com o meu irmão…
  • Gosto de sentir os dedinhos pequeninos da minha sobrinha e de lhe roubar um sorriso do tamanho do mundo…
  • Gosto de falar com os meus avós e ouvir todos os conselhos sábios que eles me vão dando…
  • Gosto de brincar com a minha afilhada e dos xis que ela me dá sempre que tropeçamos uma na outra…
  • Gosto que fales e rias comigo. Gosto de pensar em ti e de sonhar contigo e connosco. Gosto de gostar de ti!
  • Gosto de estar com os meus amigos e beber uns canecos com eles até às tantas... Gosto de saber que os verdadeiros estão sempre do meu lado!
  • Gosto de brincar com o meu cão. Gosto que ele me receba ao portão de casa com o rabinho a dar a dar, a saltar para mim… mesmo quando me suja a roupa toda…
  • Gosto de ir ao Dragão, ver o meu Porto ganhar e de gritar “GOLOOOOOO!” bem alto e “até que a voz me doa”!
  • Gosto de dançar, de ouvir música, de ir ao cinema e ficar surpreendida com o filme. Gosto de uma boa surpresa, das coisas espontâneas e inesperadas!
  • Gosto de beber chá, de apreciar um café e de gomas e chocolates…
  • Gosto de praia. De sentir os meus pés na areia e de dar um mergulho no mar. De sentir as ondas e o sol e a pele com sal e com cor…
  • Gosto de viajar, conhecer outros sítios… outras pessoas. Gosto de ir acompanhada dos melhores amigos do mundo… [os meus]!
  • Gosto de sentir as folhas a estalar debaixo dos meus pés no Outono…
  • Gosto de andar nua pela casa… só de toalha, mesmo em pleno Inverno…
  • Gosto de tirar os sapatos quando chego a casa e andar descalça... gosto de sentir os dedinhos livres...
  • Gosto de me sentir criança, de ver desenhos animados e fazer birras quando as coisas correm menos bem… daquelas de cara feia, a fazer beicinho, de braços cruzados e a bater com os pés no chão…
  • Gosto de ouvir a chuva a fustigar a minha janela e embrulhar-me numa mantinha para enganar o frio.
  • Gosto de ler e de descobrir novos autores…
  • Gosto de escrever… de contar histórias – as minhas e as dos outros. Gosto de dar voz ao que escrevo…
  • Gosto de flores… de receber uma só [rosas… independentemente da cor].
  • Gosto de todos vocês e do carinho que me dão através dos comentários aos meus textos…
  • Gosto de andar aqui… de me sentir viva!
  • (…)

São tantas, tantas, tantas as coisas que me fazem sentir de bem com a vida que não vale mesmo a pena zangar-me com ela. E agora que estou quase a abrir a porta aos 28, acho que o melhor que tenho a fazer é continuar da mesma maneira… igual a mim própria. Enquanto assim é, e voltando à história das cores, pinto o meu arco-íris. Tenho quase a certeza que encontrarei o pote de ouro quando chegar ao final…

domingo, 6 de abril de 2008

"FêCêPê", CAMPEÃO 2008... :D*

Publicado por Desnorteada às 12:07 da tarde 4 comentários

"É a pronúnica do norte... somos o povo mais forte!"

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Desculpe, pode repetir?! :S

Publicado por Desnorteada às 5:40 da tarde 4 comentários
"Ministro da Ciência diz que licenciados não sofrem de desemprego

O ministro da Ciência e Ensino Superior está convencido de que quase não há licenciados desempregados em Portugal, mas não especificou se o trabalho que encontram em qualificado ou se tem relação com a área em que tiveram formação superior.(...)"

Ler mais aqui.

Sabem que mais, não se rie ou se chore...

*

Publicado por Desnorteada às 12:19 da manhã 6 comentários
Tenho passado o tempo a tentar descobrir as cores certas para pintar a minha vida... para deixar esta gama de cinzentos que caiu sobre mim, definitivamente! Ainda não sei como escolher os tons, mas estou mais perto disso do que há alguns dias. Aliás, a dificuldade não está na paleta… está mais em quem a tem. É difícil para mim assumir que a cor que quero dar aos meus dias não está em meu poder, no entanto, eu tenho a obrigação de ser sincera comigo, acima de tudo, e admitir que essa cor eu procuro-a noutro lugar… procuro-a nos meus familiares, nos meus amigos, nas coisas que gosto de fazer, no que me dá prazer e, claro, procuro-a em ti. Sempre. Ainda espero que um dia me apareças de fato-macaco e de pincel na mão e com vontade em colorir este tempo que parece parado… que parece um tempo sem tempo.
Aguardo ansiosamente que esta vida a preto e branco se vá embora. Estou farta de riscos e rabiscos, traços vazios e figuras geométricas sem quaisquer conteúdos. Estou cansada da liberdade que não é livre… desta liberdade condicionada pelos silêncios que carrego. Estou cansada de pensar que não sou suficientemente boa para exigir mais. Eu sou boa e mereço mais. (Pronto, já disse!) Sou muito mais do que qualquer sonho que possa já ter partilhado… com todos os que me rodeiam… contigo. Sou mais do que os segredos que guardo… e do que todas as palavras que escondem os sentimentos. Quero dar cor à minha vida… impor-lhe a tinta mais alegre que conseguir arranjar. Quero sair das páginas brancas com linhas a preto e voar mais alto… derrubar todas as muralhas que criei em meu redor e avançar. Avançar para os meus sonhos, avançar para seguir caminho, avançar para não desistir, avançar para ti… sem medos… avançar para saltar fronteiras em busca do desconhecido e do incerto… a vida é demasiado curta para se estar parado e para seguir regras, apenas. Quero muito... só não sei ainda que cores utilizar... Agora, que estou disposta a arriscar, lá isso estou. E se, por algum motivo, não gostar do resultado final, só tenho um remédio, pegar noutras cores e voltar a fazer tudo de novo: olhar para os dias como se fossem telas e dar-lhes a devida cor para se sentirem vivos… para que me sinta viva. Acho que o segredo é mesmo experimentar… experimentar… experimentar… porque há-de haver um dia em que terei nas minhas mãos as cores certas... e aí a dificuldade será fazer com que elas não desbotem.

*Obrigada a todos os que me incentivaram a continuar a acreditar.
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos