quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Coisas da Vida...

Publicado por Desnorteada às 12:49 da tarde 5 comentários

Não fomos feitos para estar sozinhos. Não sabemos estar sozinhos. Mas a verdade é que também há muita gente que não sabe aproveitar o «estar acompanhado»... Enfim, como diz o povo, Deus dá nozes a quem não tem dentes!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

...

Publicado por Desnorteada às 10:14 da tarde 4 comentários
Vou anulando todas as lembranças que tinha de um tempo no qual o meu sorriso ainda brilhava... ainda era genuíno e cativante. Vou anulando, com muito esforço, o lugar onde me senti melhor em toda a minha vida. Vou anulando… porque, simplesmente, não posso desejar mais uma realidade que não é a minha… um silêncio que sufoca, que destrói e magoa.
Aprendi a lidar com a indiferença, com a falta de reciprocidade, com a minha total liberdade e independência. Aprendi que a culpa não é minha, nunca foi. Aprendi que é nos bons momentos, naqueles em que a vontade de festejar nos invade, que se vê quem nos guarda, quem nos protege, quem cuida de nós e não deixa escapar um abraço de «Parabéns» ou um beijo de «Muitas Felicidades!». Mentir-te-ia se dissesse que não sinto falta de ti, mas aprendi que, realmente, há coisas que não acontecem por muito que se queira…
Respiro fundo. E penso até apagar tudo o que está escrito para trás. Tenho medo de mostrar o que sinto, de deixar que os dedos percorram o teclado sem travões, de «vomitar» as emoções que tantos gostam de ler e outros desprezam. Suspiro. E entre segundos lembro cada mensagem, cada palavra, cada gesto e cada prova de que nada valeu e nada mais vale a pena. Podia ter dado a volta ao mundo, podia ter composto uma sinfonia, podia ter escrito uma ode, podia até ter roubado uma estrela, que tudo isso teria sido insignificante… como tudo o resto foi.
Hoje, tudo o que eu mais desejava era ter-te do meu lado para te mostrar como sou uma menina corajosa. Era ter-te do meu lado e sentir que tinhas orgulho nos passos gigantes que estou a tentar dar. Era ter-te do meu lado e ver o teu sorriso rasgar por me veres feliz por ter conquistado mais uma vitória. Pois… hoje, isto era tudo o mais desejava… mas não tenho. Hoje, dói por dentro… porque a solidão fere, porque desististe de mim sem tentares conhecer-me ainda melhor, porque tu não «existes». Hoje, dói por dentro… porque me congelaste o coração e me fizeste ser uma pessoa que não sou… nem quero ser.

domingo, 17 de outubro de 2010

Publicado por Desnorteada às 3:50 da tarde 7 comentários
Um pequeno segredo:

Hoje disseram-me: «'Tás uma mulher tão bonita!»... E não é que eu quase acreditei?

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Coisas do Coração...

Publicado por Desnorteada às 9:30 da tarde 2 comentários


É isso aí
Como a gente achou que ia ser
A vida tão simples é boa
Quase sempre

É isso aí
Os passos vão pelas ruas
Ninguém reparou na lua
A vida sempre continua

Eu não sei parar de te olhar
Eu não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não sei parar
De te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos
A escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar
De olhar


Composição: Damien Rice (vers.: Ana Carolina e Seu Jorge)

sábado, 2 de outubro de 2010

«(Sobre)vivemos (In)felizes...»

Publicado por Desnorteada às 10:53 da tarde 6 comentários

Não me canso de dizer que a vida é muito curta para desperdiçarmos as oportunidades. Não me canso de dizer que mais vale o risco e o erro do que coisa nenhuma. Prefiro mil vezes falhar, mas saber que tentei, do que estar na minha e nunca ter feito nada para mudar o marasmo em que, muitas vezes, a vida se torna. Quando me perguntam se sou feliz, a minha resposta é quase sempre que tenho momentos felizes, não sou feliz. A verdade é que para se ser feliz é preciso algo que nos complete e ser inteiro é muito difícil.
Todos os dias nos habituamos a pequenas rotinas, às mesmas pessoas, e quando pensamos que essas podem deixar de existir ficamos assustados e com medo da mudança. Não deveríamos olhar para o que fazemos ou temos como algo certo e eterno: as rotinas podem limitar-nos a felicidade. É preciso saber avaliar que o que procuramos está, demasiadas vezes, longe de nós e que essa busca incessante do bem-estar é, por vezes, algo quase inatingível. Cabe-nos a nós saber dizer que sim e que queremos muito e que por isso não desistimos. Cabe-nos a nós saber dizer que não e que não dá mais e que por isso é melhor desistir. Cabe-nos a nós fazer as escolhas certas e decidir o que é melhor para a nossa vida.
Eu sei que nós nos esquecemos de aproveitar a vida a 100%, que pensamos de mais quando sabemos perfeitamente o que nos faz feliz, e [pegando na deixa do Menphis do Scotch, Gin and Soda], assim «(sobre)vivemos (in)felizes» baseando a nossa história numa realidade fácil e que agrada a todos, menos a nós próprios.

----------------------------------------

Aproveita o dia,
Não deixes que termine sem teres crescido um pouco.
Sem teres sido feliz, sem teres alimentado os teus sonhos.
Não te deixes vencer pelo desalento.
Não permitas que alguém te negue o direito de expressar-te, que é quase um dever.
Não abandones a ânsia de fazer da tua vida algo extraordinário.
Não deixes de crer que as palavras e as poesias, sim, podem mudar o mundo.
Porque passe o que passar, a nossa essência continuará intacta.
Somos seres humanos cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Derruba, lastima, ensina, converte-nos em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua, tu podes trocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque só nos sonhos pode ser livre o homem.
Não caias no pior dos erros: o silêncio.
A maioria vive num silêncio espantoso. Não te resignes, e nem fujas.
Valorize a beleza das coisas simples, pode-se fazer poesia bela sobre as pequenas coisas.
Não traia as tuas crenças.
Todos necessitamos de aceitação, mas não podemos remar contra nós mesmos.
Isso transforma a vida num inferno.
Desfruta o pânico que provoca ter a vida toda a diante.
Procura vivê-la intensamente sem mediocridades.
Pensa que em ti está o futuro, e encara a tarefa com orgulho e sem medo.
Aprende com quem pode ensinar-te as experiências daqueles que nos precederam.
Não permitas que a vida se passe sem teres vivido...

Walt Whitman
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos