segunda-feira, 14 de março de 2011

O poder das escolhas...

Publicado por Desnorteada às 6:53 da tarde
Já aqui falei das escolhas que fazemos, das decisões que tomamos, os caminhos que evitamos e os riscos que aceitamos correr. Hoje, [ou melhor, nos últimos dias], dei comigo a pensar que a minha vida poderia ser outra se não tivesse feito muitas das coisas a que me propus fazer. Tenho para mim que muitos dos mergulhos que dei no incerto poderiam ter outro final, se pensasse muito bem antes de me atirar à água. É uma metáfora estúpida, mas serve plenamente para mostrar aquilo que quero dizer. Gostava de ter sido eu sempre a responsável pelas decisões que tomei, mas muitas delas acabaram por ser influenciadas pelas circunstâncias e algumas definidas por outras pessoas. Não gosto de mim assim, quando não sou eu sempre a decidir, a escolher, a seguir o meu caminho. E é quando estou vulnerável, frágil, quando me sinto um farrapo, que deixo que os outros, que a vida, que os erros, que as mágoas, que as desilusões, tomem as rédeas e as escolhas se façam sem a MINHA vontade. Quer dizer, isto não é de todo verdade, porque mesmo sendo influenciada, o poder das escolhas é sempre meu... sou eu que defino o que quero fazer e acarreto todas as consequências que os meus actos me podem trazer... para o bem e para o mal. Já perdi muitas coisas boas por decisões erradas, já deixei passar pela minha vida pessoas que faziam mais sentido presentes do que ausentes por escolhas mal feitas, já chorei muitas vezes em vez de sorrir por saber que o caminho que tinha evitado era o que deveria estar a fazer... enfim, acho que todos nós passamos por isto uma vez na vida. Será possível voltar atrás e corrigir aquilo que fizemos no passado? Será possível voltar a escolher algo que já deixamos de lado? Será possível vivermos segundas oportunidades? Ou será tudo isso também uma escolha a fazer?

4 comentários:

Mariana disse...

Vale sempre a pena escolher uma segunda oportunidade... ;)

Desnorteada on 9:19 da manhã disse...

Mariana, não tenho tanta certeza de que se deva escolher, mas se ela aparecer... depois vê-se! :P

Karen on 12:24 da manhã disse...

Sabes, ao ler o que escreveste, revi-me até certo ponto da minha vida. Também eu, até determinada altura, deixei que a minha vida, os meus caminhos fossem escolhidos por outros que não eu. A razão - pessoas cuja vontade era mais importante para mim do que a minha própria vontade. Sempre tive a mania de ser assim - de por a vontade dos outros acima da minha. Para quê? Para as fazer felizes, para que tivessem algo de que se orgulhar uma vez que as suas próprias vidas não lho permitiam. E assim aconteceu até um dia. Até um dia em que me apercebi que afinal, nada do que eu fazia era suficiente. E assim aconteceu até um dia. Até um dia em que ouvi palavras de desilusão daquele que ia definindo os caminhos da minha vida (mesmo sem o saber). Foi então que percebi. E mudei. Foi algo que me marcou tanto - sentir a desilusão nos olhos do meu pai, quando tudo o que eu fazia era por ele, não por mim, quando procurava dar sempre o meu melhor para que ele se orgulhasse de mim, e esforçava-me tanto... Mas nunca era reconhecida, nunca era suficiente. Então percebi que não valia a pena, e que a minha vida tinha de ser decidida por mim, para mim, e que enquanto eu continuasse a tomar decisões para que outros se orgulhassem de mim, nunca me ia sentir completamente feliz nem completamente bem comigo própria. Aí, tiraram-me o tapete (irónico, não é?), dei muitos tropeções, passei maus bocados. Mas passei a dever só a mim os meus sucessos e os meus insucessos, a congratular-me só a mim pelas vitórias e a culpar-me só a mim pelas derrotas. Passei a trilhar os caminhos que eu própria escolhia em cada momento. E acredita, ao início foi difícil pensar só por mim - não ter algum reconhecimento quando as coisas corriam bem, e até mesmo não ter a quem culpar (ainda que isso só acontecesse interiormente) quando as coisas não corriam assim tão bem...
Mas eu, tive um "impulso" para mudar. Talvez sem ele ainda continuasse a viver a vida que outros tinham escolhido para mim...
Compreendo-te muito bem.

Desnorteada on 1:03 da manhã disse...

Obrigada pelo teu testemunho, Karen... :*

 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos