segunda-feira, 29 de agosto de 2011

...

Publicado por Desnorteada às 11:41 da tarde 4 comentários

É assim a vida...

Publicado por Desnorteada às 12:41 da manhã 6 comentários
Há pessoas a quem acontecem só coisas boas e há pessoas a quem não acontecem coisas boas. Ponto. Nada a fazer.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Para grandes males...

Publicado por Desnorteada às 12:11 da manhã 5 comentários


... grandes remédios.

[Música alegre para quebrar os maus momentos também é boa de ouvir!]

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Sou tão eu nestas palavras...

Publicado por Desnorteada às 7:24 da tarde 8 comentários
Está bemmmmmmmmmmm, eu confesso!
Passo a vida a ouvir que sou uma gaja fria. Engraçado é que nunca é quem me conhece realmente bem que diz isso. Quem me conhece bem diz é que sou vertebrada e tenho um feitio filho da puta. E tenho, e daí? Cozinho bem, sou boa filha, boa irmã, boa amiga, boa tia e boa milhentas outras coisas. Não podia ter tudo. Venha de lá o feitio cabrão que ao menos não tenho mau hálito. 
Às tantas dou por mim a pensar onde é que esta malta foi buscar a ideia que me interessa o que pensam de mim. É que juro que consigo ouvir passarinhos enquanto falam. Quer dizer, agora vinha cá um ex meu e dizia "Ah e tal, eu pus-te os cornos e tu nem quiseste ficar minha amiga. És fria" e eu acreditava. Faziam-me 30 por uma linha e eu mamava só à laia de ser quente e aconchegadinha. Pois meus amigos, não. E dizem vocês, "oh Nervosinha, então mas custa alguma coisa enfiar sapos pelas goelas? Não custa nada, é começar pela cabeça e juntar bem as patas que até escorrega bem. Deixa lá as pessoas meiguinhas foderem-te o juízo à vontade, não sejas estraga prazeres". Eu nunca sou fria sem motivo e acho isto muito lógico. Agora, tenho um defeito muito grande, admito, [alerta para figura de estilo] se estou dentro de uma vacaria e digo que não aguento o cheiro a merda, eu não quero que me digam que cheira a rosas, eu quero que concordem que cheira a bosta e me tirem de lá. E agora vou ali ser warm and fuzzy inside.

*Este texto foi escrito pela Nervosinha... mas sou tão eu nestas palavras que não resisto em partilhá-lo...

Do fim-de-semana...

Publicado por Desnorteada às 12:01 da manhã 2 comentários

... estou tão cansada!

sábado, 20 de agosto de 2011

Surpresa da mamã...

Publicado por Desnorteada às 11:32 da manhã 2 comentários

[Adoro figos... adoro, adoro, adoro, adoro!!!]

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Hoje...

Publicado por Desnorteada às 3:04 da tarde 3 comentários

... só me apetece gritar F O D A - S E!!!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Um dia...

Publicado por Desnorteada às 10:22 da manhã 7 comentários

... porque é mesmo assim!

sábado, 13 de agosto de 2011

Das surpresas...

Publicado por Desnorteada às 11:36 da tarde 2 comentários

Adoro passar horas a pensar em como surpreender alguém. A última vez que o fiz, por exemplo, escrevi o mesmo bilhete aí umas 6 vezes. Em quase todas as minhas surpresas estão presentes as palavras e, por isso, talvez sejam elas as que mais gosto me dão inventar. A verdade é que sinto falta de surpresas, daquelas que nos enchem a alma e o coração de alegria. Tenho saudades de receber algo que me suspenda a respiração, que me faça perceber que valho a pena de alguma maneira para o remetente, que me faça ficar em transe durante vários minutos por não perceber o porquê da surpresa e por adorar segurá-la. Às vezes acho que não nasci para ser surpreendida, que não tenho esse direito, que... blá. blá, blá, wiskas saquetas!! É uma tolice pensar assim! Eu sei... Bolas!!! Fazem-me falta palavras [as tuas]... e os sorrisos... e as histórias... e o dia-a-dia... e as rotinas... Bolas!! Bolas!!! Faz-me falta ser surpreendida... um postal, caixas, caixinhas e caixotes, uma lembrança, um pedido de desculpa, um agir novo e original, genuinamente teu, que deixasse menos intenso este sabor amargo da desconfiança e retribuísse de alguma forma o que já fiz por nós ...

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Do tempo... II

Publicado por Desnorteada às 3:48 da tarde 4 comentários
Nunca uma semana custou tanto a passar. Não sei se é por não ter carro há quase dois meses, se é do tempo quente lá fora, ou se é das distâncias que se impuseram, ou se do casamento que tenho de ir no próximo fim-de-semana, ou se da ausência de férias, praia e mergulhos no mar... A sério, não sei do que é, mas os últimos dias parecem estar a durar o dobro do tempo!
É verdade que tenho andado com pouca paciência para me aturar e, de uns dias para cá, não sei lidar muito bem comigo. Talvez devesse guardar o que há de pior em mim para que os outros me achassem «perfeitinha»; acontece que estou longe de ser assim. Não sei ser assim. Tenho o coração na boca. Disparo tudo o que me vai na alma basta que me sinta incomodada. [E estou incomodada, estou mal disposta, estou desiludida.] Não sei, realmente, ser de outra maneira.
Sabem quando olham para trás e percebem que já deram muito mais do que receberam e a frustração começa a correr-vos nas veias, misturada com o vosso sangue, e vos sobe à cabeça e quase vos faz explodir de nervos e raiva? É assim que me sinto. Um bocadinho mais dia após dia. E a alma mirra, o coração não enche e a cabeça pesa e os ombros ficam pesados... e... e... e... não dá mais. [NÃO DÁ MAIS!]
Ás vezes acho que já não tenho nada para sentir, que estou só ocupada com a matemática simples da sobrevivência e que tudo parece um pesadelo. Palavra por palavra, promessas atrás de promessas, sonhos espalhados no chão, sorrisos perdidos e lágrimas sofridas… tudo e mais alguma coisa neste tempo que parece nem existir. Às vezes gostava de ficar petrificada nas músicas que me fazem feliz, no cheiro das manhãs debaixo de um céu sem nuvens, nas personagens de um livro, no pormenor dos detalhes, no riso das crianças, numa conversa que completa, num abraço ou num beijo. Às vezes sonho com as respostas que não te dei, com a luta que estou a evitar ter contigo e os argumentos contra nós e o que podíamos ser. Às vezes, mesmo com a cabeça cheia de mil e um cenários inaceitáveis de rejeição, de fins, de confusões e problemas, gostava de perceber melhor a minha vida e gostar de estar nela. Apenas...

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Mais uma...

Publicado por Desnorteada às 4:21 da tarde 2 comentários


Hoje acordei a cantarolar esta... oh pah, não sei mesmo o que se passa comigo!!!


[I'll get of this boat in a minute... 'Cause I know you'll be safer without me in it
Then you called... I love you so... Don't ever let me go ... I will fall to the ground
At the time... That we met... We were whole... Then we peeled off... Piece by piece of our souls... We were wrong to stay this long... Let me go... Let me fall to the ground


I'm waiting for you to disarm me
I'll go off if you don't remove this weight off of me


Then you called... I love you so... Don't ever let me go... I will fall to the ground
At the time... That we met... We were whole... Then we peeled off... Piece by piece of our souls... We were wrong to stay this long... Let me go... Let me fall to the ground]

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

...

Publicado por Desnorteada às 10:25 da tarde 2 comentários

sábado, 6 de agosto de 2011

Melancolia pura...

Publicado por Desnorteada às 12:36 da tarde 4 comentários


Dizem que só oiço música triste... mas o que fazer?! Se gosto tanto! Eu até tenho um gosto musical bastante variado, mas há alturas da minha vida que só espero da música paz e algum sossego. Talvez seja por isso que senhoras como a Patty Griffin sejam uma óptima companhia. Aproveitem-na! 

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

That's it! V

Publicado por Desnorteada às 12:05 da tarde 2 comentários

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

São minhas...

Publicado por Desnorteada às 11:10 da tarde 2 comentários
... e são tão lindas!!!

[Já para nem falar que me dão pr'aí mais 10 centímetros... Iupiiii!!!]

É meu...

Publicado por Desnorteada às 12:32 da manhã 2 comentários

... e cheira tão bem!!!!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Expectativas.

Publicado por Desnorteada às 11:53 da manhã 2 comentários

O problema está sempre nas expectativas.
 

O Meu Lado B Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos